17.11.14

com a garganta cheia de sombra
(sítios que antes sublinhavam a tua ausência)
quero dizer-te que a voz é um juntar de perdas
quando neste lado da fala não há janelas para o silêncio
fica apenas a insônia a escrever vazios