15.12.14

deitou-se sob o trapézio de Orion, o caçador, escondendo o rosto dorido. o vento raivoso do mar ali tão perto, tinha-lhe esbofeteado a face sem rodeios, durante todo o dia. disfarçava as lágrimas, cerrando os dentes, ainda que não houvesse ninguém por perto que lhe pudesse ver o pranto. apenas Salomão, o seu melhor amigo, e Abenjacan,  que do alto do castanheiro, vigiava o acampamento.