14.12.14

lembrou-se da mulher que um dia pariu alguns pedaços de vidro das costas das mãos. a mulher não chorou, - nunca chorava -, mas ela guardou o dia na memória. sempre que parte um copo, o maior medo não é o do golpe, mas que o vidro se lhe escape dentro da carne e se aninhe dentro de si.