23.12.14

Ulrica decidiu passar as festas natalícias longe de tudo e de todos, numa hospedaria de paradeiro incerto. nos estábulos quentes e de manjedoura forrada, Salomão agradece. no seu quarto, de janela voltada a sul, vista para o regato que corre, afastado da lareira que crepita, Abenjacan mantém a vigia. sabe que o coração de Ulrica sangra em segredo. nada voltará a ser igual.