12.12.14

Ulrica passou a manhã perdida na vastidão do deserto, as areias geladas fustigando-lhe as mãos atentas às rédeas de Salomão. Abenjacan, o falcão, voou por duas vezes, levando na pata direita parte do coração inquieto de Ulrica, mas os ventos do norte obrigaram-no a retornar, sem alcançar a entrega. de Borges, hoje, nem sinal.