27.1.15

Louise Bourgeois


























Não mais, não mais dele o infecundo abismo, 
Que mudo sorve o que mal somos,