25.3.15

a mim, nunca me morrerás, contigo comi poesia, senti-a no sexo, fiz dela corpo e grito, desde o chão estremeci. secretamente, gosto que poucos te leiam.