29.3.15

Coimbra, 18 de Outubro de 1952 - (...) Ninguém tenha ilusões: as possibilidades de renovação dum homem são poucas. A vontade não basta para substituir valores habituais por valores eventuais. E cada voto de mudança é uma abstracção mental sem raízes no exequível. Passa-se a vida a repetir a mesma banalidade.