28.3.15

Coimbra, 9 de Setembro de 1952 - Não sou feliz, nem poderia sê-lo nunca. A memória do mal acompanha-me como um cilício. As minhas ilusões lembram-me os frutos dos recantos sombrios: nunca amadurecem.