24.6.15

Leslie Ann O'Dell

Andávamos sem nos procurarmos, mas sabendo que andávamos para nos encontrarmos.

23.6.15


Ilya Kisaradov

20.6.15

felizmente acorda já derrotada, não teria forças para lutar.

8.6.15

o general Isidro Vidal conseguiu derrotar o inimigo em todas as frentes. os tempos são agora de paz e abundância. as aldeias fronteiriças dizimadas começam, aos poucos, a ser reconstruídas e habitadas por deslocados e desertores de guerra. o comércio retomou as rotas habituais e os impostos voltaram a ser cobrados. da guerra ficam as feridas das perdas humanas, mulheres sem maridos, filhos, irmãos e pais, mas orgulhosas da sua linhagem guerreira. 
por um bilhete da prima, Ulrica soube que Borges foi um dos capitães condecorados por bravura e valentia e da guerra herdou um mancar na perna direita, bala dirigida ao general. soube também que regressou a casa, não à casa que Ulrica julgou ser a sua, mas ao doce lar, onde uma esposa extremosa e dois filhos pequenos o aguardavam. tudo isto lhe contou a prima, julgando informá-la apenas de meras curiosidades sobre tão garboso capitão, um herói.
Ulrica caiu de cama por mais de duas semanas, com tão rude golpe. quis morrer, deu-se por vencida. entendia agora o intransponível labirinto de Borges, a sua fuga sem fim. levantou-se finalmente no dia em que se deu o eclipse solar, movida pela curiosidade. Abenjacan, que nunca abandonou a cabeceira da cama, saiu nesse mesmo dia para caçar. Atlas, ainda e para sempre coxa, seguiu-o. mais tarde, Ulrica, montando Salomão, que entretanto engordara e caminhava sem pressas, juntou-se-lhes na clareira perto do templo. nesse entardecer o equilíbrio reestabeleceu-se. os quatro estavam ligados pelo laço mais forte de Odin, o laço do afecto.
de Borges, hão-de restar apenas as memórias, um dia.

7.6.15

They learn to clutch the knife
Blade to borrowed rib
To empty the cup and be content

With utterly nothing

*

Elas aprendem a agarrar a lâmina
Da faca na costela emprestada
A esvaziar o cálice e contentar-se

Com nada de nada.

(tradução de Ricardo Domeneck)

revista modo de usar & co.

6.6.15

Apaixonei-me por um livreiro 
que me dá livros e me tira a roupa, 
que me guia pelo esqueleto do livro  
mostrando a importância do tamanho  
das palavras escritas 
sobre o papel opaco e pesado 
entre os dedos que se molham  
antes de virar páginas. 

Mas. 

Num dos dedos já secos 
abriu-se a fenda invisível de um corte de papel, 
esse sítio onde ainda me mantém. 
O pó cobre agora  
os espaços vazios das estantes, 
dentes arrancados de uma boca torta 
e as roupas ainda mornas  
jazem sobre o colchão 
onde uma mancha esbranquiçada 
é mutante quando vista  
aos olhos dos amantes: 
do meu lado da cama é vírgula, 
do dele, 
ponto final. 


[enfermaria 6]

Cam Damage

5.6.15

A nudez é o mais perto que se há-de chegar do espírito. 

[enfermaria 6]

3.6.15

malditas as noites que maltratam os dias. asfixiam-me, para me deixar sorver um pouco de ar junto à madrugada. recomposta, recebo então o cansaço, pesado como placas de chumbo, metal maciço, pedra tumular, dores no peito. acordo, mais um dia, já cansada, doente da fadiga que se desincorpora da alma, essa vil, estupidamente fraca, e obsoleta alma. não quero morrer bocejando.

2.6.15

Alison Amick

Gostaria de editar-me a mim mesma, sem obstáculos. Gostaria
que não me deixassem apagar de tristeza, de um vago
sentimento de inutilidade por escrever sobre uma língua que
arde sobre si mesma que se devora a si mesma: