17.10.15

aqui, entre montes perdidos, distante da cidade, a luz falta com alguma regularidade. pergunto às mulheres que me trazem alguidares cheios de marmelos qual a razão. encolhem os ombros, nada sabem, talvez seja do vento que abana os postes. antes de abalarem, enroladas nos xailes, aproveitam para me lembrar que a boa marmelada sempre se fez ao lume. digo que sim, espero que não.