24.10.15

o velho barracão, ao longe, parece imune à passagem das décadas. asseguram-me que está podre e em breve cairá. lá dentro, ainda chora a menina. a mulher, tentou matar-se esta manhã, segundo dizem, com veneno dos ratos. fixo-lhe o olhar uma última vez, antes de lhe virar as costas. se pudesse, eu própria lhe deitaria o fogo.