25.10.15

onde antes escancarei todas as portas, abro agora uma triste janela. em breve, desconfio, espreitarei pela fresta da cortina, até que mais não receba a luz do dia e feche as portadas de vez. porque, afinal, é esta a minha natureza, a de uma casa desabitada.