14.11.15

lembro-me que lia(mos) Le Rouge et le Noir, eu ainda era virgem e ele era muçulmano. lembro-me que a mulher que eu conhecia moderna e amiga, me levantou o dedo, tremendo dos lábios, e gritou qualquer coisa como, Promete-me que não o voltas a ver! Tu não sabes o que eles fazem com as mulheres! Promete! e eu prometi, assustada, confusa. o meu coração nem sequer estava preso, apenas a doçura curiosa de lermos o mesmo livro em bancos de jardim tão próximos. sei que a mulher me tentava proteger a todo o custo, o medo é uma arma poderosa e a realidade pode ser, por vezes, uma mancha cinzenta pesada. existe, magoa, marca.
anos mais tarde, a mesma, apaixonou-se por um muçulmano e viveu com ele durante dois anos.