8.11.15

sempre que enjoo da minha escrita, meia dúzia de lamúrios atabalhoados, julgo-me curada. porque a vida há-de ser outra coisa que não esta, olhando caracteres num ecrã, esperando a salvação que não vem.
até quando?