15.11.15

(VOLTAR À) TONA

«Como faz o sangue, volto ao coração, à tona, para ter ar. A minha vida tem sido arrumar coisas dentro do peito. Desfazes-me as palavras e as notas do piano e, com os dedos, constróis os meus pulmões para que eu possa respirar. E assim as minhas melodias morrem contra o teu corpo, como pétalas secas. Empurro tudo para dentro do coração, como se desse comida a uma criança, colher atrás de colher. Lembro-me de teres posto os meus pés em cimento e de me teres atirado a alma para o fundo do mar. Descobri: que era mesmo no fundo que estava a superfície, era mesmo no fundo que era possível respirar. Quando não estás - como se fosse possível não estares - caminho com as pernas arruinadas, por dentro e por fora, e tento chegar a casa, andando à volta das costelas, à espera que apareças, a apontar o teu coração ao meu, para me matares com um abraço.»

(Cartas de Gould, Recolha da CIA) in Mar - Enciclopédia da Estória Universal, de Afonso Cruz, p. 170