20.12.15

adiei o assunto, enquanto pude, mas hoje teve de ser. um a um, após engenhosas tentativas, enganei todos os felinos, escondendo a miraculosa pílula dentro dos pedacinhos esponjosos de carne de galinha com salmão. todos, menos Ramirez, o espanhol. comme d'habitude, Ramirez não se deixa enganar facilmente e desafia a minha paciência durante vários minutos, comendo todos os pedaços de carne, excepto aquele. neste jogo, onde a força e a obediência são meros conceitos abstractos, filosofia para cães, a paciência e a calma são preponderantes. Ramirez será vencido pela minha persistência, sei-o, pelo menos enquanto a lata não acabar. Corto Gatês, o dócil, faz da minha aflição a sua brincadeira e tenta comer o pedaço vencedor, o mesmo que Ramirez declina. Imagino a sobredosagem, acompanhada de uma valente diarreia e peço-lhe que saia dali. Ramirez, atento, ao perceber que Corto Gatês lhe ronda o pedacinho de carne, esquece a teimosia e atira-se a ele, cheio de vontade. abençoada inveja, não posso deixar de me rir. Corto Gatês cerca-me as pernas, encostando a cabeça, e deixa-me um miado baixinho, Não tens de quê, Mammina...