6.12.15

Amelie Petit Moreau

quando o mar se elevou da terra e se fez céu, a montanha permaneceu. onde antes se escondiam monstros disformes de águas profundas, sibilam sereias feitas de vento, catando vida que lhes sirva de companhia. assim será, até que o mar retorne ao lugar que lhe pertence. mas o mar, agora céu estrelado, não voltará, apaixonou-se pela lua, menina mimada, que às vezes desaparece. em seu lugar, mandou construir espelhos salgados. abandonada, a montanha chora um frio branco que mata. o lobo, primeiro amante da lua, continua a uivar-lhe a cada madrugada, implorando-lhe que reconsidere.