14.12.15

será o diabo, esse sádico fornicador, que ainda ontem escoiceava as minhas janelas, o bafejador desta aragem nocturna?
a brisa do inferno tomando os corpos pecadores, obrigando-os à volúpia da nudez.
é dezembro, ninguém o esperava.