24.2.16

A paixão é voraz, o silêncio
Alimenta-se
Fixamente de mel envenenado. E eu escrevo-te 
Toda
No cometa que te envolve as ancas como um beijo.

...

A doçura mata.
A luz salta às golfadas.
A terra é alta.

Tu és pó nó de sangue que me sufoca.

...


(a carta da paixão)


Matthieu Soudet