22.2.16

seria mais um dia para esquecer, não fosse aquela lua magnética, prenhe de luz, beijando-me os olhos, quando finalmente ganho a rua. habitasse eu um mundo perfeito e teria chorado ali mesmo o peso inteiro da frustração.
o corpo, aliviado, haveria de sossegar.