28.3.16

tenho pensado nisto, quantas vezes os outros, num simples querer ou não querer, boa-vontade sem mais intenções, podem facilitar-nos as burocracias da vida. 
um prazo que se estende aos absurdos quinze dias/três semanas, uma informação que nos poupa algum dinheiro, aborrecimentos futuros, um documento em falta, uma acta por assinar - exemplos há mais que muitos -, e depois um momento raro acontece: a senhora que sorri e diz, não se preocupe, eu faço já. ficamos ali, sensibilizados, sem perceber por que nos calhou a nós a sorte, uma senha premiada com um ser humano pronto para nos ajudar.

retribuo ao universo, sempre que posso, não adiando o papel aguardado, ajudando a ultrapassar. não que acredite em recompensas cármicas ou almas de índole superior; apenas gosto do sabor da facilitação.