9.4.16

foi quando já me debruçava sobre a segunda aba do robalo que a notícia chegou, a recém-viúva irá passar duas semanas ao Irão. choveram as críticas, os receios, a incredulidade e o desdém ao uso obrigatório do lenço na cabeça. o mensageiro continuou, dizendo que a afoita só tinha receio do aeroporto da Turquia, o resto "em tudo seria enriquecedor". da minha parte, o habitual silêncio a que a difícil arte de pescar espinhas sempre me obriga. enquanto as vozes se continuavam a atropelar, engendrando várias possibilidades, pensei em Persépolis, depois no palácio do Golestão e na mesquita do Sheikh Lotfollah, no Nowruz recente e nos faloodeh com pistácios, e estremeci. ah, a Pérsia, que inveja.