5.4.16

hoje calhou-me a sorte de almoçar harmonia universal. o arroz enxuto, a carne sabiamente temperada, na companhia de uma gota de molho sublimee os vegetais, em escassa fritura, deixavam-se trincar, tenros, al dente. não tive direito ao ovo estrelado, numa clara referência à falta de sol primaveril - percebi mais tarde, quando caminhava de casaco apertado, suspirando pelo vestido florido de cetim. para compensar, a simpática cozinha não me faltou com a malga de pedra vulcânica, como manda a tradição. felizmente [a harmonia] está na pedra e a pedra em mim.