10.4.16

o mito da criação 
esporrando homens, pequenos homens que nunca serão mais do que homens. eu quero deuses e semi-deuses, heróis e criaturas. quero a fantasia do demónio dentro de mim. eu quero o que ejacula, o que consagra, o que dá a vida. cavalgar dédalo, fornicar o minotauro bravio, receber o mel de ícaro, em cegas golfadas. eu, criatura hedionda, na mais ordinária bestialidade, fecundando o vazio.