18.6.16

diz-se que o homem é fraco, e eu, que quero é que os rapazes cresçam e se façam homens bravos, aproveito para reler.

Não é por acaso que não consegues, por mais que tentes,
atingir em cheio o dia - qualquer que ele seja - 
como se faz às baleias com um arpão.
Os dias têm um invólucro espesso,
uma armadura do material mais resistente que existe:
tudo aquilo de que não se sabe onde está o centro
está seguro.
Assim são os nossos dias que bem queríamos aniquilar
com um arpão. Baleia absurda, sem corpo,
o tempo.

[Uma Viagem à Índia, Gonçalo M. Tavares]