26.6.16

fosse eu poeta - vaca ruminante sensual / tetas penduradas em verso / rimas brancas de beber - e faria poesia com as areias pesadas, repletas de mijo e de fezes felinas, um cheiro a merda podre que me preparo para limpar. essa é a poesia essencial, amigo leitor, a que nos toca na vida baça que às vezes nos calha, que não nos humilha na compreensão da intertextualidade, tão-pouco nos rebaixa à condição de analfabetos emocionais. fosse eu poeta e faria poesia da escatologia e da mentira rameira que é a felicidade.