7.6.16

pedi-lhe, quero poesia, mas o rapaz insistia no livro da semana, os cisnes de leonardo, que me daria nove euros no cartão. não quero, dê-me poesia, a salvação, um esconderijo, dê-me veias repletas de sangue, palavras vivas que eu possa beber. e ele novamente, passa-se na bela Itália renascentista, e eu quase, que se foda, não quero saber.