19.6.16

quando parou na pastelaria da esquina, junto à entrada da estação de metro, ainda trazia o sabor na boca. as pernas tremiam-lhe, sentou-se numa das mesas vazias, perto da janela. na avenida, quase deserta, um casal de turistas observava a fachada do prédio, procurando o melhor ângulo para a fotografia. 
um café, foi tudo quanto conseguiu articular, quando a jovem empregada se aproximou.