2.7.16

já não leio, desfolho livros, percorro páginas a fio, na ânsia de encontrar uma resposta, alguma palavra mágica, frases que se findem sem fim. não me interessa o final das histórias, tão-pouco o princípio, logo depois da página seguinte. passo bem sem memorizar o nome do autor, melhor ainda sem o nome de qualquer uma das personagens. à poesia, sorvo momentos, curtos que bastem para me manter sã. não me importam as correntes, os padrões estilísticos, as novas quizilias literárias, destiladas em palavras ígneas de nada. não quero análises críticas, árvores genealógicas, historial de demências, fluxos de influências, obras reeditadas. não quero acções completas, que não possa partir. 
não quero gente à procura em mim.