29.7.16

percebo finalmente a diferença real entre memorizar textos de autor, para debitar nos exames do anfiteatro, e as respostas próprias, nem sempre completas, nascidas das colagens de dentro, quando ela, com cara de boneca, repete no vazio: adoro arte, adoro todos os tipos de arte. 

adorar, eis a palavra que julga salvá-la da sua ignorância, quando se trata de um objecto de estudo nubloso.

vem-me à memória /não uma frase batida, mas/ aquele dia em que, no refeitório da escola, disse à auxiliar que adorava uma comida qualquer, de que já nem me lembro, e ela me respondeu muito séria: só se adora a Deus, Flor. da comida gosta-se muito. na altura, nem atingi o cerne educativo/moral da chamada de atenção. também adorava o B., mas ele não queria saber de mim.
era pura, a minha lista de adorações.