1.8.16

a cada passo tropeço em ti E este é um poema de amor encomendado de véspera
embrulho-me nele acordo com a tua boca húmida nos cabelos
não direi que te amo

quando falo de longínquas cidades sei que nasci para subir esta colina nada mais

/Poemas, António Franco Alexandre/