10.8.16

chega-me ainda vermelha, conheço-lhe de cor a timidez das bochechas. não resiste à partilha, que só comigo faz. o rapaz, um jovem de tão longe, acabou de lhe dizer, em português envergonhado, que ela era uma das melhores mulheres do mundo que ele já tinha encontrado. e tantos obrigados e ela a rir, dos nervos, que nunca sabe como lidar com momentos assim, ora essa, ora essa, mas que exagero. até lhe pediu uma fotografia... ai jesus, que seja, mas só uma, e juntos, que ela sozinha, era arrojo em demasia. 
meto-me com ela, olha lá, isso não será para o moço ter companhia à noite, ou material para os serviços secretos?... não me responde, mas o sorriso desaparece-lhe de cara, pensando bem, é o mais certo.