1.8.16

um bicho morre, interminavelmente.
nunca, desperto, morre. um osso
o rói por dentro.

fura na carne o dia, e forma (em osso)
um astro eterno onde enterrar o azul.

/Poemas - António Franco Alexandre/