24.12.16

/ajudando a Cuca a procurar o espírito natalício, que fugiu de casa da Palmier, onde se encontrava em cativeiro há vários anos, num sótão escuro, partido em várias caixas de papelão. (apenas porque a Própria dará alvíssaras e eu, esse doce, nunca provei/



VLADIMIR
 Também deves estar contente, lá no fundo, se ao menos soubesses.

ESTRAGON
 Contente com quê?

VLADIMIR
 Por estares outra vez comigo.

ESTRAGON
 Achas que estou?

VLADIMIR
 Diz que estás, mesmo que não seja verdade.

ESTRAGON
 O que é que eu digo?

VLADIMIR
 Diz, Eu estou contente.

ESTRAGON
 Eu estou contente.

VLADIMIR
 Também eu.

ESTRAGON
 Também eu.

VLADIMIR
 Nós estamos contentes.

ESTRAGON
 Nós estamos contentes. (Silêncio.) O que é que fazemos agora, agora que estamos contentes?

VLADIMIR
Esperamos pelo Godot.

ESTRAGON
 Ah, pois é.
 Silêncio.

VLADIMIR
 As coisas mudaram desde ontem.

ESTRAGON
 E se ele não vier?

VLADIMIR (após uma pausa de incompreensão) Logo se vê. (Pausa.) Eu disse que aqui as coisas mudaram desde ontem.

ESTRAGON
 Tudo escorre.

VLADIMIR
 Repara na árvore.

ESTRAGON
 Nunca nos banhamos duas vezes no mesmo pus.

VLADIMIR
 Na árvore, repara na árvore.
 Estragon olha para a árvore.

ESTRAGON
 Não estava ali ontem?

VLADIMIR
 Estava, claro que estava. Não te lembras? Quase nos enforcávamos nela. Mas tu não
quiseste. Não te lembras?

ESTRAGON
 Sonhaste.

VLADIMIR
 Será possível que já te tenhas esquecido?

ESTRAGON
Eu sou assim. Ou me esqueço logo ou então nunca mais me esqueço.


/ed. Cotovia/


Adenda: Onde se Lê: GODOT, Leia-se: espírito de natal em fuga.