9.12.16

passámos, há muito, o tempo dos ímpetos arrojados, nascidos do início feroz de todas as coisas maiores, vontade férrea de transformar; agora, mais do que empunhar bandeiras e palavras de ordem, exibir a verve de palanque, urge-nos pisar um chão que não nos afunde no lodo disfarçado de mundo, pela berma da estrada.

/Godot espera-se na berma, perto do chorão que não chora mais, mas a vida segue, sempre, para lá da próxima curva./