15.2.17

as janelas do sexto andar não abrem. quem vier para se suicidar, é favor fazê-lo de outra forma: a saber, repete-se, que nunca é demais lembrar, a forma escolhida não pode interferir com o fluxo diário habitual daqueles que nos rodeiam. se deseja matar-se, faça-o no sossego da sua casa, em hora mais solitária. as janelas do sexto andar não abrem, repete-se, as janelas do sexto andar não abrem. a fila agita-se, desfaz-se e o caos instala-se no acesso à porta de serviço. alguém se lembrou do poço das escadas. os gritos, entrecortados pelos embates secos, não demoraram a chegar. a consagração da libertação.
o homem da camisa azul baixou os braços, escondendo as manchas de suor e voltou à mesa de trabalho.