26.2.17

percebo, com o passar do tempo em mim, que, àqueles que nunca conseguiram caminhar simplesmente a direito, não faz sentido procurar o sentido da vida. a estrada larga, que os mais velhos nos aconselharam a procurar, é a estrada da manada, onde a natureza mantém os fluxos migratórios intactos e a vida corre simples, na segurança dos costumes e da tradição. para nós os outros, párias, inadaptados, diferentes porque não nascemos com cascos de alcatrão, sobram os trilhos pelo meio do mato, entre pedras e giestas, onde a liberdade da escolha, tantas vezes somente definida pelo cheiro da urze ou pelo assobio do vento, traz vinculada a possibilidade constante de queda iminente.
tenho consciência de que nunca chegarei ao bem-aventurado pasto celestial, onde repousam os que acreditam, felizes, na plenitude de um destino alcançado.