15.2.17

recordo o desconforto, as bocas demasiado próximas, a respiração quente no meu rosto, enquanto, com a máquina, me penetrava a íris da alma. a consulta mais invasiva de que me lembro, não foi com o homem que me tocou no interior do sexo, tão-pouco com o que me escancarou a boca procurando um siso, ou com o que me observou o ânus com larga atenção. estranhamente, ou talvez não, a pior, foi uma simples consulta de oftalmologia.