19.2.17

Se eu quisesse, enlouquecia.

Oscar Droege

13 comentários:

  1. "Bem, não aguentamos a desordem estuporada da vida."

    Eu também.

    Um beijinho,querida Flor

    ResponderEliminar
  2. "Sei uma quantidade de histórias terríveis. Vi muita coisa, contaram-me casos extraordinários, eu próprio… Enfim, às vezes já não consigo arrumar tudo isso. Porque, sabe?, acorda-se às quatro da manhã num quarto vazio, acende-se um cigarro… Está a ver? A pequena luz do fósforo levanta de repente a massa das sombras, a camisa caída sobre a cadeira ganha um volume impossível, a nossa vida… compreende?… a nossa vida, a vida inteira, está ali como… como um acontecimento excessivo… Tem de se arrumar muito depressa."

    um beijo, querida Miss Smile

    ResponderEliminar
  3. também ando a considerar essa hipótese. hoje estive bem perto.
    beijo, flor :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Eu digo que ninguém se perdoa no tempo.
      Que a loucura tem espinhos como uma garganta."

      um beijo, ana do mar.

      Eliminar
    2. acordei a meio da noite, com a sensação de ter espinhos na garganta. de manhã tinha desaparecido, mas deve ser uma sinal.

      Eliminar
    3. «Há no esquecimento, ou na lembrança
      total das coisas,
      uma rosa como uma alta cabeça,
      um peixe como um movimento
      rápido e severo.
      Uma rosapeixe dentro da minha ideia
      desvairada.
      Há copos, garfos inebriados dentro de mim.
      - Porque o amor das coisas no seu
      tempo futuro
      é terrivelmente profundo, é suave,
      devastador.»

      Eliminar
  4. Eu enlouqueci. E de lá da loucura o mundo é que é insano... Então, vou e volto aquando me dá na telha; é divertido.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «De médico e louco todos temos um pouco»

      :)

      Eliminar
  5. Oh, mas para ganhar a medalha é necessário o inverso. Não enlouquecer, querendo tanto...

    ResponderEliminar
  6. Respostas
    1. vê a estação de destino no bilhete, Manel :)

      Eliminar
  7. – Não preciso de remédios - disse eu. - Sei histórias tenebrosas, acerca da vida. De que me servem barbitúricos?

    ResponderEliminar