27.4.17

e agora? pensas, quando, por deslize, baixas a guarda de ti própria. escondes-te num canto só teu e esperas que as lágrimas te escoem a alma. mas nem isso consegues. ficas sozinha no escuro, os olhos ardendo de sono, o peito no aperto de sempre, e repetes em silêncio, e agora?