25.4.17

o gato amarelo acorda e boceja rente ao meu olhar, para que lhe sinta o cheiro a peixe de lata e o desdém de quem há muito observa a humanidade canina. no livro de poemas, que jaz sobre as pernas nuas da mulher, há um gato assim.