5.8.17

sob o signo da figueira, taeko, a bondosa, observa a manada. dezenas de antílopes voadores atrevem-se, por estes dias, a pousar nas margens do rio.


4.8.17

sexta-feira à noite
felizmente estou exausta, dorida, desorientada,
espero tombar na cama e dormir
sem sequer
me entreter
a ter pena
de mim

amanhã serei guerreira
outra vez
e pois que sim, que é agosto, e cá estamos na paz do senhor, que também deve ter ido de férias, e dos pelintras do costume. e diz que hoje a temperatura vai escaldar - excelente para torrar essas peles xóninhas de massa assalariada de escritório - e assim sendo, esta flor que aqui vos tecla aventurou-se num vestidinho de estação todo suavezinho e numas belíssimas meias brancas...
a raposa olha-me de esguelha, numa careta torcida, quando finjo que me esqueci do saco de areia, junto à porta dos fundos. amanhã bem cedo, diz-me com a sua voz de monge tibetano, a primeira coisa que deves fazer é mudar a areia da caixa do gato. não tugi, nem mugi -- olhei para o relógio: 00:59h!, e percebi que o melhor era rumar ao vale dos lençóis. 
nas escassas horas que permaneci em Niflheim, o assunto voltou ao centro da mesa, onde jazia a carne grelhada. o nativo, por quem nunca tive grande apreço, detentor de uma voz pastosa de tinto caseiro, insiste na tecla. e eu, sorrindo, olha que não, olha que não. mas o nativo não dá espaço às minhas refutações, ó, atão mas eu não sei? como poderá ele saber, é algo que me intriga, estando tão longe da situação. 
pela manutenção da tranquilidade caseira, e na demanda da paz regional, nada mais adiantei, rumando a conversa para o futebol. aquilo é que foi!, baba-se agora, de sorriso escancarado. e eu, segurando a peça em assunto boçal, aceno-lhe que sim e dou-lhe os parabéns.
todas as discussões valem a pena, mas nem todas as pessoas valem uma discussão. digo eu.
"Há uma época na vida em que esperamos que o mundo esteja sempre cheio de coisas novas. E depois chega o dia em que nos damos conta de que não vai ser assim. Percebemos que a vida vai ser uma coisa cheia de buracos. De ausências. De perdas. De coisas que existiram e desapareceram. E também nos apercebemos de que temos de crescer à volta e entre as lacunas, embora possamos estender a mão na direcção das coisas e sentir esse entorpecimento tenso e luminoso do espaço onde se encontram as recordações."

/A de Açor, Helen Macdonald/

3.8.17

a insónia é o pesadelo dos que não dormem.

2.8.17

o sentimento de ser de vidro e quebrável, 

um medo, 
recados para uma Pirata que vai ficar com Milu alguns dias em agosto.


• Milu não come mosquitos. Diz que fica enjoada. Ainda não percebi bem de onde vem isso, pensei que fosse do glúten, mas ela só come mosquitos sem glúten. Aliás, ela não come glúten. A nutricionista naturopata recomendou. Também não come ovos de melga. (nem bebe run, nem gin, nem aguardente, nem cachaça, nem whisky - apenas absinto e apenas para desmoer a digestão mais pesada.)

• Deixei um saco com comida para a Milu. Moscas sem glúten, libelinhas sem gordura, abelhas sem açúcar, larvas desidratada, nacos mirandeses na pedra e quinoa dos Andes (para ti).

• Não lhe dês bolos de pastelaria, a menos que sejam palmiers encobertos esfoliados. Nem sumos de pacote, que não tenham sido espremidos manualmente. Nem leite de vaca que não seja de origem controlada dos açores. Nem chocolates com menos de 80% de cacau, torrado em horário matinal. Nem leite com chocolate, que tem iva mais caro. (parece óbvio, mas tenho de ter em conta de que és Pirata)

• Se ela insistir muito para comer doces, dá-lhe uma peça de fruta biológica, pode estar podre. Ou deixa-a brincar com o teu órgão electrónico, piano ou lá o que é. Ou fazer tranças indianas na barba - desde que higienizada - do guedelhudo do teu cozinheiro. Ou um abraço.

• A Milu pode brincar com o iPad dela antes de ir para a cama (atenção ao acesso à pornografia! e aos vídeos sobre extraterrestres e aos sites de gastronomia chinesa). Mas não nos últimos 34 minutos antes de apagar a luz. É o que dizem os estudos mais recentes.

• Se ela ensaiar uma fita por causa disso, não a contraries. Não lhes tires o iPad das patas à força. Dialoga com ela. Convença-a. Quero que a Milu tenha capacidade de argumentação e não quero contrariá-la demasiado, para não ser castrada na construção da sua personalidade. No fim, dá-lhe um abraço. Ela precisa de três abraços por dia. Pelo menos. Por favor não te esqueças isso. E se puderes (sei que podes ou terás notícias do meu advogado), dá-lhe abraços de pele a tocar na pele. A energia positiva assim passa de forma mais eficaz, a peçonha também.



Paulo Farinha, daqui, visto por aí 

"- O senhor, pelos vistos, está à procura de alguém - disse - mas, a propósito, parece-me que daqui a pouco o seu fato vai arder.
O desconhecido olhou para trás, afastou-se um pouco da lareira e, depois de olhar com atenção para Runévski, respondeu:
-- Não, não procuro ninguém; estou apenas surpreendido por ver neste baile tantos upires!
-- Upires - repetiu Runévski. - Como é isso, upires?
-- Upires - respondeu imperturbavelmente o desconhecido. -- Vocês, só Deus sabe porquê, chamam-lhes «vampiros», mas acredite que a sua verdadeira denominação em russo é «upir». Ora, como são de origem puramente eslava, embora se encontrem por toda a Europa e mesmo na Ásia, é infundado utilizar um nome que é uma deturpação feita por monges húngaros; estes lembraram-se de modificar tudo à moda latina, pelo que transformaram «upir» em «vampiro». Vampiro, vampiro! - repetiu com desprezo. -- É a mesma coisa que dizermos, em vez de fantasma, fantôme ou revenant!
-- Está bem... mas diga-me lá - perguntou-lhe Runévski -, como é que os vampiros, perdão, os upires, podiam vir parar aqui?
À laia de resposta, o desconhecido estendeu a mão e apontou para [...]
Runévski ouvia e não queria acreditar nos seus ouvidos.
-- Tem dúvidas? - continuou o interlocutor. Contudo, ninguém melhor do que eu pode provar que Sugróbina é upir, porque assisti ao seu funeral. Se me dessem ouvidos ter-lhe-iam espetado uma estaca de álamo no peito, por precaução; mas foi impossível! Os herdeiros não estavam presentes, ora os estranhos... querem lá saber!

/O Vampiro e a Família do Vampiro - Aleksei K. Tostói/



estamos sozinhos, eu e Aleksei. nesta brancura imaculada, serei um festim nas mãos de qualquer um dos seus upires. ele abana a cabeça, negando tal ousadia - tudo não passa de uma história, garanto-lhe! -, mas as mãos tremem-lhe, enquanto afaga a barba comprida, na antecipação do sorvo libidinoso. provoco Aleksei um pouco mais, despindo-me devagar à sua frente. seguro de si, mantém as páginas abertas, insistindo que o leve para a cama, na mais pura das intenções. pois que seja, meu caro. esta noite, serei o seu punhal.