27.8.17

as aves mais velhas eram mantidas num curral a duzentos metros da casa, debaixo da sobra das árvores. bastante mais dóceis do que as mais jovens, era apelidadas carinhosamente por avós. Tristan era responsável por mantê-las alimentadas, mudar-lhes as camas de palha e administrar-lhes a medicação semanal. Cirilo costumava brincar, dizendo que Tristan tratava das avós nos intervalos da sua correspondência com as netas. só quando bebia mais aguardente do que a conta, é que Tristan falava sobre o assunto. todas eram especiais, cada uma me dá algo diferente e eu dou a todas elas um pouco de mim, repetia, sorrindo. somos todos felizes e ninguém se magoa, rematava. apenas Bartolomeu franzia o sobreolho de desagrado, um dia, uma delas descobre e aparece aqui na quinta a pedir explicações, Tristan. quero ver o que fazes nessa altura. a tua vida vai transformar-se num inferno. as mulheres são ciumentas, está-lhes na condição. Tristan encolhia os ombros com indiferença, que venha, logo se verá. era um jovem intenso. nunca lhe conhecemos uma namorada, mas as cartas, envelopes perfumados de diferentes tamanhos, alguns arriscando o vermelho paixão, outros o rosa suave, a maioria o branco comum, chegavam todas as semanas à caixa de metal, colocada na extremidade do terreno, junto à estrada nacional. Petra era a que mais se emocionava com a forma diferente de amar de Tristan, e às vezes, quando o via batendo as teclas da máquina num bailado de sorrisos, suspenso no tempo sem se aperceber das horas, saía discretamente e ia ela mesma encher as manjedouras das avós. Tristan, quando dava conta do seu atraso, enfurecia-se e ripava violentamente a folha da máquina, juntando-a às restantes, presas entre as folhas rabiscadas do seu velho moleskine, que fazia de capa, e corria para o curral.