4.8.17

nas escassas horas que permaneci em Niflheim, o assunto voltou ao centro da mesa, onde jazia a carne grelhada. o nativo, por quem nunca tive grande apreço, detentor de uma voz pastosa de tinto caseiro, insiste na tecla. e eu, sorrindo, olha que não, olha que não. mas o nativo não dá espaço às minhas refutações, ó, atão mas eu não sei? como poderá ele saber, é algo que me intriga, estando tão longe da situação. 
pela manutenção da tranquilidade caseira, e na demanda da paz regional, nada mais adiantei, rumando a conversa para o futebol. aquilo é que foi!, baba-se agora, de sorriso escancarado. e eu, segurando a peça em assunto boçal, aceno-lhe que sim e dou-lhe os parabéns.
todas as discussões valem a pena, mas nem todas as pessoas valem uma discussão. digo eu.