25.8.17

no desejo da chuva porvir, ninguém do bando se espanta com a minha caneca de chá fumegante e a mão cheia de biscoitos de limão. talvez já nem se lembrem de que comi o primeiro gelado de verão ontem mesmo, depois de mais um dia no deserto caçando alacraus. a verdade é que estamos todos cansados e ansiosos pelas nuvens carregadas, que hão de vir em breve e chover toda a nossa tristeza escondida, varrendo a poeira dos dias em que nenhum de nós dormiu.