2.8.17


"- O senhor, pelos vistos, está à procura de alguém - disse - mas, a propósito, parece-me que daqui a pouco o seu fato vai arder.
O desconhecido olhou para trás, afastou-se um pouco da lareira e, depois de olhar com atenção para Runévski, respondeu:
-- Não, não procuro ninguém; estou apenas surpreendido por ver neste baile tantos upires!
-- Upires - repetiu Runévski. - Como é isso, upires?
-- Upires - respondeu imperturbavelmente o desconhecido. -- Vocês, só Deus sabe porquê, chamam-lhes «vampiros», mas acredite que a sua verdadeira denominação em russo é «upir». Ora, como são de origem puramente eslava, embora se encontrem por toda a Europa e mesmo na Ásia, é infundado utilizar um nome que é uma deturpação feita por monges húngaros; estes lembraram-se de modificar tudo à moda latina, pelo que transformaram «upir» em «vampiro». Vampiro, vampiro! - repetiu com desprezo. -- É a mesma coisa que dizermos, em vez de fantasma, fantôme ou revenant!
-- Está bem... mas diga-me lá - perguntou-lhe Runévski -, como é que os vampiros, perdão, os upires, podiam vir parar aqui?
À laia de resposta, o desconhecido estendeu a mão e apontou para [...]
Runévski ouvia e não queria acreditar nos seus ouvidos.
-- Tem dúvidas? - continuou o interlocutor. Contudo, ninguém melhor do que eu pode provar que Sugróbina é upir, porque assisti ao seu funeral. Se me dessem ouvidos ter-lhe-iam espetado uma estaca de álamo no peito, por precaução; mas foi impossível! Os herdeiros não estavam presentes, ora os estranhos... querem lá saber!

/O Vampiro e a Família do Vampiro - Aleksei K. Tostói/



estamos sozinhos, eu e Aleksei. nesta brancura imaculada, serei um festim nas mãos de qualquer um dos seus upires. ele abana a cabeça, negando tal ousadia - tudo não passa de uma história, garanto-lhe! -, mas as mãos tremem-lhe, enquanto afaga a barba comprida, na antecipação do sorvo libidinoso. provoco Aleksei um pouco mais, despindo-me devagar à sua frente. seguro de si, mantém as páginas abertas, insistindo que o leve para a cama, na mais pura das intenções. pois que seja, meu caro. esta noite, serei o seu punhal.