4.12.17

Algures no céu, ou no raio que o parta, o diabo que o leve, há um pequeno deus, estupidamente cínico, cuja masturbação celestial deve ser, nada mais, nada menos do que trocar me as voltas à vida. Uma semana tão cheia de nadas e obrigações e o corpo clamando por tudo, de livre vontade.