29.4.18

"Sempre que me perguntavam o que eu queria, o meu primeiro impulso era responder «nada». O pensamento de que não faria diferença alguma, de que nada me iria fazer feliz, passava-me pela cabeça."

/Não-Humano, Osamu Dazai/


quando chegou a minha vez de pedir, eu que sempre respondo nada, enumerei: meia dúzia de lápis nº 2, um  bloco de papel fino, 90 g/m², cor de marfim, suave, sem ácido, uma cesta de fruta madura, queijo e vinho, uma estufa de vidro do tamanho do pátio, um balão de ar quente, um telescópio, um rebanho de cabras. e parei, esperando que a minha lista fosse suficiente para calar os que dizem que estou doente porque nunca peço nada.