27.4.18

Yo no sé de pájaros
no conozco la historia del fuego. 
Pero creo que mi soledad debería tener alas.


toda a manhã, o pequeno pássaro trinou no alto do grande pavilhão. o homem, que passou por engano, assustou-se com o gorjear estridente e apressou-se a sair, para meu contentamento. e então ficamos só os dois, eu e o pássaro, durante muito tempo, cada um com a sua música. as máquinas, serpenteando como cobras, deslizavam rápidas, distribuindo paletes pelos corredores de A a F. quando passavam mais perto, ambos nos quedávamos em silêncio, sem medo - o pássaro porque era livre e eu porque fui pássaro toda a manhã.

Buscar no es un verbo, sino un vértigo.